Grupo Villagres investe na ampliação de sua unidade fabril para atender a demanda do mercado nacional

Villagres

O Grupo Villagres investe na ampliação de sua unidade fabril e aumenta em 30% sua produção. Outra novidade é o novo formato de até 108x108cm dos porcelanatos. A Villagres foi a primeira empresa do Estado de São Paulo a produzir o formato acima de 90 cm x 90 cm.

Com este novo parque industrial, a empresa pretende elevar seu faturamento e suas vendas em mais de 10% no mercado nacional, além de ampliar seu quadro de colaboradores entre 3% e 5% ainda em 2019. “Será um ano de novos desafios, mas de grande otimismo, principalmente, porque temos um histórico de crescimento orgânico nos últimos quatro anos.

Em 2018, a Villagres bateu record de vendas. Atingimos as metas propostas e credibilidade em suas quase 1000 lojas distribuídas pelo Brasil”, explica o gerente Comercial e Marketing do Grupo Villagres, Renato Salvatti.

Villagres e parcerias – Com quase 90 anos de história, a Villagres é considerada uma grife quando o assunto é cerâmica. Grupo consolidado no mercado, que desenvolve soluções em porcelanato para amplo segmento da construção civil. São produtos de alta tecnologia e impressos em alta definição. Localizada em Santa Gertrudes (SP), todos os processos de fabricação são automatizados.

“Nossa equipe de desenvolvimento de produtos está sempre muito alinhada às tendências mundiais. A parceria com studios italianos nos permite, através dos olhares profissionais e aguçados de nossos designers, lançar produtos exclusivos que atendam os mais exigentes arquitetos, decoradores e designers de interiores”, ressalta Salvatti.

História que marca gerações: Tudo começou com a família Buschinelli em 1923 com a produção de telhas francesas na então fábrica conhecida como “Carlos Buschinelli & Filhos Telhas Francesas”, em Santa Gertrudes (SP). Esta indústria estava instalada onde é hoje a TH Buschinelli. A produção era praticamente manual e as atividades industriais desenvolvidas com pouco embasamento técnico. A argila era extraída, amassada em bastões, prensada, seca e queimada em fornos de alvenaria, um ciclo que durava aproximadamente 30 dias.

Na década de 60, a produção já apresentava uma variedade ampla de produtos em cerâmica vermelha, tijolos furados, elementos vazados e revestimentos que estendeu até final dos anos 70. Em seguida, foi substituída pela fabricação de pisos extrudados e queimados em fornos intermitentes, denominado comercialmente de “Lajotão Colonial”. Os pisos eram sem esmalte e os efeitos decorativos com pinturas ou relevos, efetuados manualmente.

Logo depois, na década de 80, iniciou-se a fabricação de pisos esmaltados, que atingiu rapidamente a marca de 30 mil m² produzidos por mês. Com a “explosão” do setor no início da década de 90, ou seja, em 1994, a família Buschinelli criou a Villagres numa área de 45 mil metros quadrados, com a fabricação de “massa seca”. A produção atomizada e via úmida foi realizada a partir de 1997 e passou para 120 mil m² mensais de porcelanato.

Contato:
Villagres
(19) 3545-9000
http://www.villagres.com.br